Lideranças da etnia Tapirapé participam de seminário do PPGE



Nove lideranças indígenas, da etnia Tapirapé (região de Confresa, distante 1000 km de Cuiabá), estiveram presentes no Seminário Educação e Povos Indígenas, organizados pelos professores do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso (PPGE-UFMT), Beleni Salete Grando e Darci Secchi.


A professora Beleni destacou o pioneirismo dos professores da etnia em sensibilizar para uma política pública de Educação, na década de 1980. “Os Tapirapé formaram o primeiro professor e o primeiro diretor de escolas indígenas. Atualmente, estão em posições de coordenação e liderança em secretarias municipais e na Fundação Nacional do Índio (Funai). É a primeira vez que os indígenas vêm à UFMT, para partilha de experiências e saberes aos pós-graduandos”, apontou.


Um exemplo é o coordenador técnico local da região de Confresa II da entidade, Kaorewygi Reginaldo Tapirapé. “Os professores indígenas são protagonistas de seu próprio processo educacional. Aprendemos, em nossa visão de mundo e valores, que não há desigualdades, pois tudo é partilhado e pensado de forma coletiva. Todos somos natureza, vivemos em comunhão com ela. Nossa cidadania é baseada na afirmação e perpetuação de saberes milenares, geração em geração”, ressaltou o líder indígena, que atua há 15 anos na área de Educação.


Por sua vez, Secchi pontuou que esse é um momento propício para levantar esse debate. “Além do pioneirismo e protagonismo dos Tapirapé, quero destacar que Mato Grosso ocupa uma posição de vanguarda no desenvolvimento de políticas para a Educação Indígena. Somos o Estado mais avançado nesse sentido. No mestrado do PPGE, já se contabilizam pouco mais de 20 dissertações, tanto de autoria dos indígenas quanto os com temática indígena”, completou Secchi.

Destaque
Publicações Recentes
  • Facebook App Icon
  • facebook-square